De olho no mercado americano, vinhos brasileiros reforçam promoção nos Estados Unidos

0
63

Sete vinícolas brasileiras estão fazendo, ao longo da semana, a apresentação de seus produtos em Miami, Atlanta, Washington D.C. e New York. O objetivo é apresentar o vinho brasileiro a novos distribuidores, revendedoras e restaurantes.

As vinícolas Casa Perini, Casa Valduga, Cave Geisse, Miolo Wine Group, Mioranza, Pizzato Vinhas e Vinhos e Salton, todas do Sul do Brasil, desembarcam na terra do Tio Sam para participar de cinco eventos voltados tanto para o consumidor final como para o trade, imprensa e críticos. Em Miami, o evento teve o apoio do Consulado-Geral do Brasil e foi realizado no restaurante Fogo de Chão, que já comercializa algumas dessas marcas. O cônsul-geral, Adalnio Senna Ganem, estava presente.

A comercialização de vinhos importados nos Estados Unidos aumentou 13% nos últimos 10 anos. Em 2015, dados mais recentes da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), o país ostentou a liderança no consumo mundial, com 31 milhões de hectolitros. Esses dados justificam a busca dos vinicultores brasileiros por uma fatia desse mercado. No ano passado, os americanos aumentaram em 34,6% o valor das aquisições de vinhos do Brasil, totalizando $830,7 mil e 280,6 mil litros exportados.

“Nos últimos dois anos estamos consolidando parcerias com novos distribuidores que apostaram no produto brasileiro em suas ações. Assim, estamos obtendo resultados mais efetivos, com crescimento sustentado nas vendas para diferentes estados americanos”, explica o gerente de Promoção do Ibravin, Diego Bertolini. “Essas iniciativas têm o objetivo de mostrar o Brasil como país produtor de vinhos e convidar as pessoas a descobrirem a qualidade e diversidade dos nossos rótulos”, completa.

Bertolini informa que, no ano passado, os Estados Unidos se consolidaram como o segundo principal destino das exportações brasileiras de vinhos. Devida à importância desse mercado, as ações no país devem ser intensificadas nos próximos anos. E uma das apostas dos produtores brasileiros será o espumante.

Somado ao fato de o Brasil deter reconhecimento internacional e uma excelente relação de custo x benefício no produto, a taxa de crescimento do consumo dos borbulhantes entre os americanos é duas vezes maior que a dos demais vinhos. No ano passado, apesar de representar 17,3% do valor total das exportações dos rótulos nacionais, os espumantes tiveram um incremento de 54,3% ante o ano anterior. Bertolini explica que o potencial de crescimento e os resultados obtidos estimularam, por exemplo, a Vinícola Salton a instalar um escritório comercial no estado de Maryland. “Este é um movimento que mostra o amadurecimento da indústria vinícola brasileira, buscando a internacionalização como estratégia de ganho de competitividade”, pontua o gerente.

Vinhos brasileiros na Flórida

Os vinhos apresentados no evento em Miami – Casa Perini, Casa Valduga, Cave Geisse, Miolo Wine Group, Mioranza, Pizzato Vinhas e Vinhos e Salton – já podem ser encontrados em restaurantes, liquor stores e, em alguns casos, supermercados e lojas da Rede Wallgreens. “Eles têm preços convidativos e excelente qualidade”, disse Eduardo Soares da vinícola Salton.

As ações nos EUA são articuladas pelo projeto setorial Wines of Brasil, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), por meio do Fundo de Desenvolvimento da Vitivinicultura (Fundovitis), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

 

POR: BERNARDO ZEYMER SOARES

compartilhe:
  • Twitter
  • Facebook

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA