Literatura: Paulo Francis

0
323

Há 15 anos morria o jornalista Paulo Francis, em Nova York. No banheiro da sua casa, ele agonizou os momentos finais antes de desvanecer nos braços de sua esposa, que o amparou e chorou como sugestiva parte do Brasil, sua terra natal.

Distante de agradar a todos, o jornalista inveterado, crítico de gregos e troianos, foi fiel e mordaz somente à sua própria filosofia. Como gostava de repetir, “apenas as pessoas inteligentes se contradizem”, e nessa área, Paulo Francis era inimitável.

Imitado por Chico Anysio, a confirmação aparecia. Só se configura o inimitável justamente na preferência dos humoristas de alta estirpe. Paulo Francis dizia: “a imitação é a maior forma de lisonja”.

Mas fora os trejeitos, manias e versos propositalmente dissonantes e irregulares, Francis escapava às tentativas inócuas de taxá-lo, defini-lo ou guardá-lo numa caixinha de perfume, espanada, com o pó retirado. Inicialmente fã do Trotskismo, aderiu completamente ao Capitalismo na segunda metade de sua vida. Adorador da música clássica de Wagner e das marchinhas de carnaval. Elege, herege, elegia a heresia em primeiro plano.

 

Dentre os inúmeros palavrões, vociferou com voz maquinada todas as vicissitudes, saliências e “locupletâncias” dos ativistas do Brasil. Sem o perdão da palavra equivocada, a indiferença passava longe de Paulo Francis.

O jornalista “inobjetivo”, com a clemência da incorreção, atormentava os fugazes crentes da careta carência e indiscrição que busca consolo na verdade única e indivisível. Francis sempre se postou como contra-ponto numa cultura de apóstolos.

Uma curva lancinante, entre o contorno e a linha pura, e púrpura, marcou a travessia do jornalista Paulo Francis no Brasil e em Nova York, para onde se mudou e residiu durante os últimos anos de sua vida. Purpurina, confete e serpentina foram jogadas para o alto no dia em que Paulo Francis se foi, uma terça-feira de carnaval, 4 de fevereiro de 1997, vítima de infarto aos 66 anos, com aquele sorriso debochado no rosto, como ele citava: rindo dos tolos de cara alegre.

Raphael Vidigal

Publicado originalmente no site

http://www.esquinamusical.com.br/literatura-paulo-francis/

compartilhe:
  • Twitter
  • Facebook

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA