Centro Cultural Brasil-USA comemora 20 anos promovendo a cultura brasileira na Flórida

0
117

DA REDAÇÃO – Normalmente, a função do jornalista é ouvir os entrevistados e reproduzir suas opiniões. Para escrever esta matéria, porém, decidi me colocar como “testemunha ocular da História”, lembrando o slogan do Repórter Esso – um dos mais tradicionais noticiosos da mídia eletrônica do Brasil.

Recém-chegado a Miami, acompanhei de perto a formação do CCBU-Centro Cultural Brasil-USA, que surgiu em 1996, graças ao empenho de Adriana Riquet Sabino e do então cônsul-geral do Brasil em Miami, Luiz Fernando Benedini. Adriana relembra: “Notando o grande número de brasileiros que estavam se radicando em Miami, e sabendo que muitas dessas famílias precisariam de materiais típicos do Brasil para as apresentações sobre países nas escolas locais, apresentei a proposta de criar um acervo de materiais no Consulado para atender famílias e estudantes que precisassem de objetos, bandeiras, fantasias para suas apresentações escolares. Eu e outros voluntários nos encarregaríamos de coletar e classificar os objetos, que ficariam num espaço do Consulado”.

Marcelo e Adriana Sabino, com o ex-cônsul-geral do Brasil em Miami, Luiz Benedini, em 1996
Marcelo e Adriana Sabino, com o ex-cônsul-geral do Brasil em Miami, Luiz Benedini, em 1996

Benedini não só aprovou o projeto como ofereceu o espaço. Além disso, sugeriu a criação de um “Centro Cultural”, já que o Itamaraty estava desativando os centros de estudos brasileiros, e incentivando as novas comunidades brasileiras no Exterior a fazer essa ação de divulgação cultural. “Essa ideia me atraiu, pois sei do valor da divulgação da cultura como instrumento de conexão de pessoas, além de apreciar artes visuais, teatro, música, etc. Enxerguei, também, a possibilidade de usar a cultura para apresentar a então mais nova comunidade imigrante no Sul da Flórida – os brasileiros. O passo seguinte foi identificar outros voluntários interessados no projeto de divulgação de cultura brasileira”, conta a idealizadora do projeto, que, em 1997, teve o CCBU incorporado como uma non-profit (501.c.3) Florida Corporation.

A primeira reunião teve pouca participação, mas serviu para lançar a pedra fundamental da instituição que, em maio, comemora seus 20 anos de existência. A primeira diretoria foi composta por: Ministro Luiz Fernando Benedini – Presidente Honorário; Adriana Riquet Sabino – Presidente; Ana Leite – Vice Presidente Financeira; Denise Moura – VP Marketing; Helena Serber–VP.Ensino de Língua Portuguesa (Língua de Herança); Leila da Costa–VP Ensino de Língua Portuguesa; Lena Borghini–VP Eventos, e Luiz Ernesto Gozzoli – VP Assuntos Legais.

Logo a atuação do CCBU se fez notar no âmbito local e a entidade tornou-se um interlocutor eficiente e natural no campo de cultura brasileira, sobretudo por organizações governamentais e outras entidades culturais. Atualmente, está sendo apresentada uma série de palestras na Books and Books de Coral Gables, intitulada “African Roots: An Essential Part of Brazilian and American Cultures”. E Adriana confessa estar feliz com os resultados: “Em recente troca de emails, a diretora de programação escreveu que adorava trabalhar conosco”.

Marcelo e Adriana Sabino. O empresário Marcelo é o maior incentivador e um dos patrocinadores da entidade
Marcelo e Adriana Sabino. O empresário Marcelo é o maior incentivador e um dos patrocinadores da entidade

Ações que valorizam o Centro Cultural

Atuando na imprensa comunitária brasileira, pude constatar ações efetivas desenvolvidas pelo Centro Cultural Brasil USA. Foram vários programas, entretanto, alguns merecem ser realçados. Sem dúvida, o envolvimento do CCBU na criação do primeiro programa bilíngue e bicultural de imersão, Português-Inglês, com conteúdo acadêmico brasileiro no sistema escolar público americano, na escola Ada Merritt Elementary em 2003 é a joia da coroa. “Por quatro anos, a partir de 1999, trabalhamos com o Miami-Dade Public Schools para identificar uma escola que se interessasse em implantar o programa de português, que seria o quinto programa bilíngue do sistema – já havia os programas de espanhol, francês, alemão e italiano. Depois de Ada Merritt ser escolhida, então uma nova escola elementar, o CCBU se encarregou de divulgar para a comunidade brasileira o que seria o programa, e sua importância em dar às crianças brasileiras que cresciam aqui, fora do Brasil, uma educação bilíngue e bicultural.

“Fizemos uma intensa campanha, visitando companhias, igrejas, brasileiras. Criamos uma campanha na Globo Internacional que até despertou o interesse de brasileiros que residiam na Austrália. Esse programa representa a missão do CCBU que é divulgar a cultura brasileira (no caso para os alunos e famílias não brasileiros) e correm o risco de perder o idioma e a cultura.

“O programa bilíngue da Ada Merritt, que agora vai até a oitava série, foi pioneiro e marcou a história da diáspora brasileira fazendo a comunidade brasileira do sul da Flórida se destacar entre todas outras no mundo”, enfatiza Adriana.

Alunos da escola Ada Merrit K-8 Center, do programa português-inglês criado pelo CCBU, celebram o Sete de Setembro

Outro programa que orgulhou as diretoras do CCBU foram os Pavilhões do Brasil na Miami Book Fair International, totalmente idealizados e produzidos pelo CCBU. Os Pavilhões – de 2005 a 2008 – apresentavam um programa diversificado, que ia muito além da literatura. “Usamos o maior evento cultural de Miami (entre 350 e 400 mil visitantes em cada edição) para apresentar importantes escritores brasileiros, como Nélida Piñon, Silviano Santiago, Geraldo Carneiro, Affonso Romano de Sant’Anna, Luis Giffoni, entre outros, mostrando a diversidade cultural brasileira através de exibição de dança, canto, capoeira, narração de histórias, artesanato, gastronomia e apresentando os artistas brasileiros que residem nesta região. Graças ao CCBU, em 2007, pela primeira vez o português foi incluído como uma das línguas oficiais da Miami Book Fair International. As palestras dos escritores participantes no programa do Brazil Pavilion – Rio de Janeiro foram todas em português, com interpretação simultânea”, rememora a eterna presidente do CCBU, que lamentou a decisão da MBFI em eliminar o Setor de Pavilhões Internacionais, por falta de verba, em 2009.

E Adriana Sabino relaciona outras iniciativas importantes, como a criação de um fundo de bolsas de estudo, em perpetuidade, para estudantes com necessidades financeiras e fluentes em português, no Miami-Dade College, na comemoração de aniversário de 10 anos do CCBU; em 2014, a rede de bibliotecas públicas de Miami-Dade convidou o CCBU para ministrar um curso de português, o primeiro curso de língua estrangeira na rede. O curso “Portuguese for Business – Beginners Level” (gratuito) começou na West Dade Regional, aos sábados e, depois foi estendido à outra biblioteca da rede.

Com Viviane Spinelli (diretora do Brazilian Film Festival of Miami) e Tanira Damasceno Ferreira. Em 2017, o CCBU tem promovido almoços mensais com personagens relevantes na promoção da cultura brasileira na Flórida, que contam suas histórias nos encontros
Com Viviane Spinelli (diretora do Brazilian Film Festival of Miami) e Tanira Damasceno Ferreira. Em 2017, o CCBU tem promovido almoços mensais com personagens relevantes na promoção da cultura brasileira na Flórida, que contam suas histórias nos encontros

“Sempre realizamos, em parceria com universidades, entidades governamentais e outros centros culturais, festivais culturais. Mas, vale enfatizar a exposição 12 Stadiums|12 Cities: Brazil 2014, World Soccer Destination, apresentada no Coral Gables Museum de junho a setembro de 2014. A exposição foi uma ideia original do CCBU, que usou o tema da Copa do Mundo para criar uma exposição focalizando a diversidade cultural e arquitetura de ponta do Brasil. Um programa paralelo, com palestras, filmes, workshops, incluindo a transmissão de dois jogos iniciais num telão na plaza do museu, ampliou a promoção do Brasil. O então presidente da Embratur, que visitou a exposição, nos informou que essa foi a única exposição sobre as 12 cidades sede e os 12 estádios no mundo! 12S12C foi mais uma demonstração do pioneirismo e senso de oportunidade do Centro Cultural”, comentou orgulhosa a voluntária da difusão da cultura brasileira no Exterior. Aliás, se houver interesse de outras comunidades brasileiras em criar centros culturais, o CCBU está à disposição para ajudar.

Como participar do CCBU

Como foi lembrado, todos participantes do CCBU são voluntários, ou seja, nada recebem monetariamente e ainda doam um pouco de seu tempo livre para fortalecer a cultura brasileira na região. Todavia, a entidade precisa de recursos para viabilizar seus projetos e a principal fonte de renda do CCBU são as contribuições de seus associados (em várias categorias). Regularmente são feitos eventos para arrecadar fundos. Claro, que sempre estão em busca de novos apoiadores e a maneira mais fácil de colaborar é associar-se em alguma das categorias oferecidas. Para mais informações e para se associar, basta visitar o site: www.centroculturalbrasilusa.org e clicar no link “membership” na barra superior. O registro e o pagamento são feitos facilmente, online. Isto seria importante, porque ampliaria o corpo de associados e envolveria ainda mais a comunidade para que ela se sinta “proprietária” do Centro Cultural, ajudando a conseguir patrocinadores de longo prazo.

Embora não seja uma entidade oficial, o CCBU até 2012 contou com grande apoio do consulado, onde mantinha sua sede. Atualmente, estão sendo desenvolvidos novos planos, confidencia Adriana: “Recentemente, com a chegada do embaixador Adalnio Senna Ganem, nosso relacionamento com o consulado atingiu outro patamar de colaboração e estamos trabalhando juntos num projeto muito interessante, que  será divulgado em breve. Também contamos com o apoio de algumas empresas e setores da comunidade brasileira. Temos consciência de que o CCBU e suas atividades não são tão conhecidos como deveriam. Gostaria que a comunidade brasileira do sul da Flórida se orgulhasse do CCBU. Temos que trabalhar melhor essa área”.

Atualmente, o Conselho do CCBU tem o embaixador Adalnio Senna Ganem – Presidente Honorário; Adriana Riquet Sabino – Presidente; Gloria Johnson – Vice Presidente – Administração & Membership; Maria Inês Dal Borgo – VP; Eventos: Adriane Silva, Augusto Soledade, Denise Moura, Floriana Martinez, Gene de Souza, Paola Matarazzo, Silvana Soriano e Viviane Spinelli. “Quando há vacância, enviamos uma carta convite a nossos associados convidando-os a submeter sua candidatura e substituir o titular que está de saída”, explica Adriana Sabino.

Para comemorar o aniversário, o CCBU vai promover uma grande festa no próximo dia 18 de maio, em plena praia, no Key Biscayne Beach Club.

POR: BERNARDO ZEYMER SOARES

compartilhe:
  • Twitter
  • Facebook

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA